segunda-feira, 26 de março de 2012

Penso em não pensar em nada


Descobri que o futuro é aquela coisinha que te faz um friosinho na barriga e no qual às vezes passamos noites sem dormir, 
a imaginar. 

Nós vamos vivendo, o amanhã vai se acumulando na mochila do tempo fazendo com que a vida passe. 
Os momentos felizes, os tristes, os que são neutros... 
Todos são apenas mais um dia no caminho de um futuro incerto. 


Faço planos, as coisas mudam, e eu tento controlar cada detalhe do incerto. Minhas escolhas são o caminho e o acúmulo de resultados o objetivo. Não nasci com tudo que quero, porém as atitudes que tenho hoje contribuem para conseguir o que almejo. 

Sinto a sensação de que caminho para algo fora de meu controle, esse algo se chama fim e faz parte desta jornada chamada vida. 

Sei que não sou constante, tenho sonhos inconcebíveis... 
Penso em ser rica, penso em ser altruísta e largar tudo em prol de todos, penso em mudar o mundo, penso em me mudar, penso em não pensar em nada e consequentemente acabo pensando em muita coisa. 


Eu caminho em meio a pedras e flores, prefiro ver as flores a sentir as pontadas das pedras incomodando meus pés. 
Com as pedras faço uma casa e com as flores faço um jardim e em meio a escolhas erros e acertos vou chegando ao fim.



AUTORA: RADIGE HANNA.
OBS: Peço a qualquer pessoa que goste de minha mensagem e que queira mostrá-la a alguém o favor de NÃO PLAGIAR.


sábado, 17 de março de 2012

A usura que nos compõe a todos e a qual mal podemos evitar.


=

A usura que nos compõe a todos e a qual mal podemos evitar. Somos usurários do tempo e do amor. Porque cobramos do tempo poder e do amor felicidade. Tremendas ilusões que trazem pesar, pois é assim que seguimos nos enganando frente ao soar frenético do sino que a todo momento nos alerta sobre os verdadeiros sabores por trás do qual está o banquete da realidade.

Seres frugais e descordenados ao pensar serem deuses quando em verdade os próprios deuses não se preocupam com questões de hierarquia.

Os caminhos são sempre os mesmos. Nunca iguais. Não porque em sua essência a matéria não se altere, pois que se altera de qualquer forma, mas porque o caminho não é o fim em si, o fim está em sua transposição deixando que a realidade nos abduza e que a ignorância seja esquecida nos porões da mente.

Viver é um meio tendo por significado a alquimia dos acontecimentos. Deus é um pretexto mal utilizado pelos praticantes do ócio intelectual, ora como verdugo, ora como oferenda.

Uma vida sem intempéries é moribunda. Somente o maldito deseja o caminho da inércia e da exatidão. Transcorre que continuamos a acreditar que precisamos do tempo para nossa transformação quando verdadeiramente estamos fadados ao não ser, ao estar, até quando assim a nossa natureza humana o deseje.

Autora: Dede Rossi.

Retirado na íntegra do seu blog "Imaginalismo".